Brindeiro pede informações para decidir intervenção no ES

O procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, pediu hoje informações a órgãos públicos para decidir se solicitará ou não intervenção federal no Espírito Santo. De acordo com um pedido feito a Brindeiro por partidos de oposição ao governo José Ignácio Ferreira (sem partido), o Estado não estaria aplicando o mínimo exigido de 25% da receita resultante de impostos na manutenção e desenvolvimento do ensino e em ações e serviços públicos de saúde.Antes de dar a opinião sobre a solicitação de intervenção, o procurador-geral quer que os tribunais de contas da União (TCU) e do Estado (TCE) do Espírito Santo, os Ministérios da Educação e da Fazenda, a Secretaria da Fazenda daquele Estado e o Ministério Público Federal (MPF) local informem dados sobre as contas do governo capixaba e a aplicação dos recursos no ensino e na saúde.Os partidos de oposição ao governador também sustentam que o Banco do Estado do Espírito Santo (Banestes) teria sido usado para financiar campanhas eleitorais , além de outras supostas ilegalidades. No despacho, Brindeiro afirma que a intervenção federal é uma medida "excepcionalíssima, dentro da estrutura federativa brasileira".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.