Brindeiro é excluído de lista para sucessão

O procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, sofreu hoje uma dura derrota imposta por seus próprios colegas de Ministério Público Federal. Numa demonstração de que não deseja que Brindeiro seja reconduzido pela terceira vez ao cargo, a maioria dos integrantes do MP não incluiu o nome de Brindeiro em uma lista tríplice de candidatos à vaga. Esta lista será encaminhada em breve ao presidente Fernando Henrique Cardoso. Cabe ao presidente indicar o nome do procurador que ocupará o cargo a partir de 28 de junho, quando termina o mandato de Brindeiro. No cargo há quase seis anos, Brindeiro teve 67 votos e ficou em sétimo lugar na eleição na qual votaram 336 dos 556 procuradores da ativa. O mais bem votado foi o subprocurador Antônio Fernando Barros e Silva de Souza, com 184 votos. O segundo colocado foi o subprocurador Cláudio Fonteles, com 123 votos, e a terceira, a subprocuradora Ela Wiecko de Castilho, com 101 votos. Nos meios jurídicos, os três são considerados como pessoas não alinhadas com o governo. Antônio Fernando participou das investigações sobre supostas irregularidades na gráfica do Senado. Cláudio Fonteles atuou em casos envolvendo os ex-ministros Zélia Cardoso de Mello e Rogério Magri. Ela Castilho participou das investigações sobre a pasta rosa. Os três têm um ponto em comum: foram presidentes da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.