Brigada Militar dispersa atos de estudantes contra Yeda

A Brigada Militar do Rio Grande do Sul dispersou hoje dois protestos de estudantes contra o governo Yeda Crusius (PSDB), em Porto Alegre. Foram detidos três manifestantes. Eles foram encaminhados a delegacias próximas e liberados. No primeiro ato, cerca de 30 jovens ligados ao Diretório Central de Estudantes (DCE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e à União Nacional de Estudantes (UNE) reuniram-se diante da casa de Yeda, na Vila Jardim, para pedir esclarecimentos sobre a compra do imóvel.A aquisição da casa, feita em dezembro de 2006, depois da vitória eleitoral dela, causou acalorados debates na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) da Assembléia Legislativa. Em depoimento, em abril, o ex-chefe da Polícia Civil Luiz Fernando Tubino disse ter informações da Operação Rodin de que um dos réus na fraude, Lair Ferst, teria pago R$ 400 mil do custo do imóvel. Tubino ressalvou, no entanto, que não dispunha de provas para comprovar o que dizia, sugerindo que os deputados prosseguissem na investigação. Posteriormente, a Polícia Federal (PF) informou que a compra da casa não havia sido mencionada durante a operação, que detectou o esquema de superfaturamento e distribuição de propina na autarquia gaúcha.A governadora do Rio Grande do Sul afirmou que se desfez de dois imóveis, um em Brasília e outro em Capão da Canoa (RS), e tomou empréstimos para pagar os R$ 750 mil do negócio. O presidente da comissão, Fabiano Pereira (PT), disse que as contas não fechavam porque o apartamento de Capão da Canoa não havia sido transferido. Yeda anunciou que processará Pereira ao fim da CPI do Detran, quando promete eliminar qualquer dúvida que venha a restar sobre a operação.Os estudantes foram cercados por um grupo de policiais militares e empurrados com escudos para uma rua próxima, onde se dispersaram. Um deles, Rodolfo Mohr, do DCE da UFRGS, foi detido. Pouco depois, outro grupo com dezenas de alunos fez um ato em defesa da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) diante do Palácio Piratini, sede do governo do Estado, no centro da capital gaúcha, e foi removido do local por tática semelhante. Foram detidos dois manifestantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.