Brics aproveitam G-20 para reprovar atos de espionagem

O grupo dos cinco maiores países emergentes - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS) - demonstrou reprovação aos atos de espionagem internacional que estariam afetando diversos países, inclusive membros do bloco. A informação foi dada nesta tarde pelo porta-voz do gabinete presidencial russo, Dmitry Peskov.

FERNANDO NAKAGAWA, ENVIADO ESPECIAL, Agência Estado

05 de setembro de 2013 | 12h53

Durante entrevista sobre o primeiro dia da reunião de cúpula do G-20 na Rússia, Peskov disse que o grupo debateu a suspeita de que países estariam espionando outras nações, inclusive em temas domésticos. Peskov, porém, não citou nomes de países que estariam espionando, nem nações que estariam sendo espionadas.

O porta-voz russo comentou que, durante o debate realizado mais cedo, os líderes do grupo teriam comparado ações de espionagem internacional no espaço cibernético "com terrorismo" e que ações poderiam estar ameaçando a liberdade dos Estados.

No fim de semana, reportagem do programa Fantástico da TV Globo revelou que documentos secretos mostram que a presidente Dilma Rousseff e o então candidato à presidência do México, Enrique Peña Nieto, teriam sido alvo de espionagem do serviço secreto norte-americano.

Tudo o que sabemos sobre:
espionagemG-20Brics

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.