Brasileiros avaliam piora em serviços sociais, aponta pesquisa

A pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta terça-feira mostrou que, apesar da melhora na popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governo, houve uma percepção de piora nos serviços sociais (emprego, renda, educação, saúde e segurança), nos últimos seis meses. Essa piora, segundo o diretor da Sensus, Ricardo Guedes, é medida pelo Índice de Avaliação, um novo indicador criado pela Sensus.A pesquisa mostra que esse índice ficou em 42,48 pontos, em uma escala de 1 (um) a 100 (cem) pontos. Nessa escala, valores menores do que 50 indicam piora na avaliação, e maiores do que 50 indicam avaliação positiva. Outro indicador novo divulgado foi o Índice de Expectativa, que ficou em 66,58 pontos, na mesma escala, mostrando uma expectativa favorável em relação aos serviços sociais. "Os indicadores do cidadão mostram que existe uma avaliação relativamente negativa dos serviços sociais, mas há uma expectativa de melhora por parte da população", explicou Guedes.A pesquisa CNT/Sensus mostrou também que, para 26,3% da população, a principal preocupação dos brasileiros continua sendo com emprego e renda. Mas o porcentual caiu significativamente em relação a abril de 2006, quando igual pergunta foi feita, e 36,6% dos entrevistados se declararam preocupados com emprego e renda.No levantamento divulgado nesta manhã, a saúde pública aparece em segundo lugar, com 25,7%, ante 24,9% no anterior. Segurança pública vem em terceiro lugar, com 18,2%, ante 14,4%. A educação pública vem em seguida, com 16,7%, ante 15,3% na pesquisa anterior.A sondagem mostrou também que, para 16,3% dos entrevistados, o aumento do salário mínimo para R$ 380 foi considerado "alto e adequado", enquanto para 59,1% foi "baixo e inadequado". E 22,6% dos ouvidos na pesquisa CNT/Sensus disseram consideraram que o reajuste não foi "nem alto nem baixo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.