Brasileiro teme crise, mas dá aprovação recorde a Lula

Governo é considerado ótimo ou bom por 73%, segundo CNI/Ibope; no Nordeste, 46% dão nota 10 à gestão

Daniel Bramatti e Leonencio Nossa, O Estadao de S.Paulo

16 de dezembro de 2008 | 00h00

A maioria dos brasileiros sabe da crise econômica internacional e a considera grave, mas avalia que o País está tomando as medidas adequadas para enfrentá-la. Nesse contexto, revelado por duas pesquisas de opinião divulgadas ontem, a aprovação ao governo Luiz Inácio Lula da Silva subiu a novas taxas recordes. Cientistas políticos analisam as pesquisasSegundo levantamento do Ibope, encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o governo é considerado ótimo ou bom por 73% dos brasileiros. Esse índice é quatro pontos porcentuais superior ao obtido em setembro, em plena campanha eleitoral, época em que o presidente foi pouco atacado e teve suas realizações destacadas por aliados em centenas de cidades do País.O instituto Sensus, que divulgou pesquisa encomendada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), detectou números semelhantes aos do Ibope: 71,1% dos entrevistados vêem o governo como ótimo e bom. A taxa de aprovação ao desempenho pessoal do presidente é ainda maior: 80,3%.Segundo o Ibope, os brasileiros com menor renda e escolaridade são os mais satisfeitos com a administração do País. Na faixa dos que têm renda familiar de até um salário mínimo, nada menos que 81% vêem o governo como ótimo ou bom. Mas foi entre os mais "ricos", com renda acima de cinco salários mínimos, que as taxas positivas tiveram crescimento maior desde setembro.A nota média dada ao governo, em uma escala de 0 a 10, ficou em 7,8, ainda segundo Ibope. Na Região Nordeste, 46% dos entrevistados optaram pela nota 10. O governo também foi aprovado no grau máximo por 54% dos que têm renda de até um salário mínimo.O capítulo da pesquisa Ibope sobre a crise internacional revela que 75% dos entrevistados já haviam tomado conhecimento dela ao ser abordados pelo instituto. Destes, 84% vêem a crise como "grave" ou "muito grave" e 62% consideram ótima ou boa a atuação do governo no enfrentamento do problema. Segundo 29% dos consultados, os efeitos da turbulência econômica já são sentidos em seu dia-a-dia.OTIMISMONa pesquisa Sensus, 70,9% dos entrevistados dizem que a crise já está atingindo ou vai atingir o Brasil. Para 35%, o País sairá fortalecido dessa situação.O levantamento ainda detecta otimismo em relação à economia em 2009, mas em tom mais contido do que o verificado em setembro. O índice dos que prevêem melhora no emprego nos próximos seis meses, por exemplo, caiu de 59,2% para 47,3%.Lula comentou a melhora de sua avaliação, ontem, em discurso na 11ª Conferência Nacional de Direitos Humanos. "Um governante não pode ficar olhando apenas para o seu umbigo, porque tem 80%, e achar que está bom", afirmou. "Ainda falta muito para realizar o sonho que nos trouxe para a Presidência da República."O Sensus ouviu 2.000 pessoas entre os dias 8 e 12 de dezembro. A margem de erro da pesquisa é de 3 pontos porcentuais para mais ou para menos. Já o Ibope fez 2.002 entrevistas entre 5 e 8 de dezembro. A margem de erro é de 2 pontos porcentuais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.