Brasileiro paga 3 vezes mais imposto que norte-americano

Os brasileiros estão pagando três vezes mais imposto de renda do que os norte-americanos. O leão, no Brasil, também é mais voraz do que em qualquer outro país do Mercosul. No Paraguai e no Uruguai, por exemplo, esse tipo de imposto não incide sobre a renda de trabalhadores assalariados. Essas são apenas algumas disparidades levantadas por uma pesquisa da consultoria tributária Ernst & Young. O estudo compara o Brasil e seis outros países em que a consultoria atua: Argentina, Uruguai, Paraguai, Estados Unidos, Espanha, Holanda.Para fazer os cálculos, foram comparadas duas famílias hipotéticas, uma com renda anual de US$ 18 mil (US$ 1.500 mensais) e outra com US$ 60 mil (US$ 5 mil por mês). Nos dois casos, foi considerada a cotação de US$ 1 igual a R$ 2. Um trabalhador brasileiro que ganha R$ 3 mil por mês paga um imposto de renda que é três vezes maior do que o que paga um cidadão norte-americano na mesma faixa de renda, mostrou a pesquisa.No Paraguai, onde não existe imposto de renda, a população paga apenas 10% de Imposto sobre o Valor Agregado (IVA), que incide sobre o consumo. Empresas e pessoas físicas que prestam serviços pagam IVA e um imposto de 7% sobre a renda. Na Argentina, as deduções permitidas por lei são semelhantes às do Brasil, mas lá é possível abater US$ 13.500 fixos como dedução especial, o que reduz a base sobre a qual é calculado o imposto a pagar. Além disso, há uma parcela de rendimento dos contribuintes e dos residentes no país há mais de seis meses equivalente a US$ 4.020 anuais que não é tributável.De acordo com o estudo da Ernst & Young, numa faixa de renda mais alta - US$ 5 mil (R$ 10 mil) por mês - o brasileiro entrega 20% da sua renda para o Fisco. O argentino na mesma situação paga 6,62%; o norte-americano, 11%; o espanhol, 27% e o holandês, 36%. O estudo foi feito com base em famílias formadas por um casal e um filho, em que apenas o homem trabalha e a declaração é feita em conjunto. Nos Estados Unidos, a carga tributária é menor, principalmente por causa de uma parcela não tributável de US$ 7.350. Além disso, também é permitida a dedução pessoal de US$ 2.800 para cada integrante da família, incluindo o chefe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.