Brasileiro nº 2 da Missão da Onu no Haiti está desaparecido

Funcionário é o mais alto na hierarquia da Onu; cerca de 1300 oficiais do Brasil participam da missão

Fabiana Marchezi,

13 de janeiro de 2010 | 20h18

O brasileiro Luíz Carlos da Costa, o número dois da chefia civil da Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti (Minustah)está desaparecido, informou o ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, na tarde desta quarta-feira, 13.

 

Veja também:

link Exército admite dificuldade de comunicação com Haiti

link Lula decreta luto oficial de 3 dias por vítimas no Haiti

link Jobim presta tributo a militares do País mortos no Haiti

 

"Falei com o secretário-geral da ONU e é uma dor compartilhada porque o Brasil está muito presente, a ONU está muito presente. O número dois da chefia civil da Minustah é um brasileiro, Luíz Carlos da Costa, que está desaparecido", disse o ministro. "Ele é o funcionário brasileiro mais alto na hierarquia da ONU propriamente", ressaltou o ministro.

 

O ministro também informou que cerca de 1.300 brasileiros participam da Minustah. Segundo ele, o Brasil está em contato com o governo norte-americano e a Organização das Nações Unidas para preparar um ação coordenada de apoio às vítimas da tragédia.

 

"Hoje mesmo, o secretário assistente para América Latina Arturo Valenzuela falou com o secretário-geral do Itamaraty, Antonio Patriota, e mencionou a importância de uma ação coordenada entre o Brasil e os EUA. Como sabem os EUA disponibilizaram muitos equipamentos. Nós, obviamente, temos pessoal em terra e estamos enviando assistência humanitária".

 

Ele ainda confirmou que o Brasil vai enviar U$ 15 milhões como ajuda humanitária ao país da América Central.

 

Amorim disse ainda que a embaixada brasileira no Haiti ficou muito danificada, mas não houve mortes. "Gostaria de acrescentar que a nossa embaixada foi muito danificada, mas não houve mortes. Três diplomatas e quatro funcionárias estão bem, instalados no Centro Cultural Brasileiro, que foi aberto há pouco tempo."

Tudo o que sabemos sobre:
HaitiBrasilONUterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.