Brasileiro bate recorde mundial de permanência no gelo

O professor Gilberto Cruz bateu o recorde de permanência no gelo em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Ele ficou 1h07 dentro de uma caixa de vidro cheia de gelo a uma temperatura de menos de 20 graus. O feito deverá ser incluído no "Guiness Book´, o livro dos recordes mundiais. Várias pessoas que acompanharam aflitas a tentativa do professor e não acreditavam que ele conseguiria vencer as barreiras do corpo. O médico que o acompanhou disse ao Bom Dia SP, da TV Globo, que Cruz treinou quatro meses para preparar o corpo frente às condições adversas. Além disso, o professor tem 151 cursos específicos, já ficou 10 dias embaixo da água, escalou a mesma parede durante 54 horas, fez 14 mil flexões e permaneceu montado num cavalo por 55 horas. Após o teste de permanência no gelo, Cruz se recuperou com uma sessão de fisioterapia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.