Brasil vive 'crescimento explosivo' de universidades privadas, diz 'Economist'

Segundo revista, estudantes e investidores estão lucrando com o aumento.

BBC Brasil, BBC

14 de setembro de 2012 | 05h30

A revista The Economist desta semana traz uma reportagem sobre o que chama de "crescimento explosivo" das universidades privadas no Brasil e afirma que estudantes e investidores estão lucrando com esse cenário.

"Estudantes nas universidades públicas do Brasil ainda são mais brancos e mais ricos que a média, e é mais provável que tenham frequentado escolas particulares", diz a revista.

"Mas um crescimento explosivo em universidades particulares, com fins lucrativos, está finalmente abrindo a educação superior."

A revista cita dados de 2010, segundo os quais apenas um décimo das cerca de 2,4 mil universidades no Brasil são públicas e três quartos são privadas e com fins lucrativos.

Qualidade

"Nenhuma das instituições com fins lucrativos tem o prestígio ou os recursos das melhores universidades públicas, como a Universidade de São Paulo, estrela solitária da América Latina em rankings internacionais", diz o texto.

"Algumas são pouco mais que fábricas de diplomas de qualidade duvidosa. Mas uma qualificação em uma das líderes pode dobrar o salário de um jovem", afirma a revista, citando um especialista do Banco Mundial.

Segundo a reportagem, as universidades terão de investir em tecnologia se quiserem melhorar a qualidade, cortar custos, manter seus estudantes e atrair outros.

A revista discute ainda a aprovação do sistema de cotas nas universidades brasileiras e cita um especialista em educação da OCDE ao afirmar que "a maneira mais segura de garantir que todos os jovens tenham uma chance justa de entrar nas melhores universidades é oferecer boas escolas a todos". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
geralalsoeducaçãoeducacaoeconomist

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.