Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Brasil vai apoiar moçambicano para OMS

O ministro da Saúde, Humberto Costa, será um dos principais cabos eleitorais do primeiro-ministro de Moçambique, Pascal Mocumbi, que concorre às eleições para a direção da Organização Mundial da Saúde (OMS). Costa estará em Genebra, na semana que vem, depois de passar pelo Fórum Econômico de Davos e pedirá, em nome do governo brasileiro, votos para o africano.O Brasil lidera uma coalizão de países que apóia o nome de Mocumbi como o substituto da atual diretora da OMS, Gro Harlem Brundtland, da Noruega. Brundtland acaba seu período à frente da entidade com má reputação entre os países em desenvolvimento, por supostamente favorecer os interesses das grandes economias em temas relacionados à saúde.A norueguesa ainda travou um acirrado conflito com o ex-ministro da Saúde José Serra, pela insistência do brasileiro em trazer para a OMS o tema das patentes de remédios. Diante da reação negativa dos países pobres em relação à sua gestão, Brundtland sequer tentará um segundo mandato na OMS, e seu sonho de se tornar a primeira mulher a ser secretária-geral da ONU parece cada vez mais distante.Por enquanto, o Brasil já conseguiu o apoio de todos os países de língua portuguesa, da França e de outros africanos para Mocumbi. Os diplomatas brasileiros ainda promoveram uma recepção, durante a semana, em homenagem ao candidato moçambicano em Genebra.Mocumbi, porém, terá duros concorrentes na eleição marcada para a próxima terça-feira em Genebra. Outros quatro candidatos estão na corrida: Julio Frenk, do México, Jong Wok Lee, da Coréia, o belga Peter Piot e Ismail Sallam, do Egito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.