Brasil teve e tem governo responsável, diz FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, após participar de seminário na universidade London School of Economics, evitou tecer comentários críticos em relação ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele disse que não queria falar sobre o governo estando fora do País. "O que falei na semana passada foi dentro do PSDB e muito rapidamente", disse o ex-presidente referindo-se à entrevista que concedeu ao site do PSDB, com críticas as altas taxas de juros do governo Lula. "É preciso dar tempo ao tempo para o governo mostrar o que vai fazer. Infelizmente eu sei o que é isso". Sobre a redução da Selic em 0,5 ponto porcentual, Fernando Henrique disse que "não cabe a um ex-presidente tratar de tecnicalidades". Fernando Henrique disse que o Brasil teve e tem um governo marcado pela responsabilidade. "É um governo (do presidente Lula) que busca um orçamento equilibrado, busca reformas e o equilíbrio inflacionário, que visam criar um clima favorável aos investimentos", disse. "Neste momento, precisa continuar ainda assim. Amanhã e depois, talvez não seja necessário ser tão estrito porque poderá haver condições para uma política mais folgada". Em relação ao encontro entre Lula e George W. Bush na semana passada, ele observou que não tem detalhes da relação entre os dois presidentes, mas afirmou que o Brasil deve se juntar à Área de Livre Comércio das Américas (Alca) desde que obtenha concessões que vão ao encontro dos interesses nacionais. "Não podemos entrar na Alca apenas para ganhar uma medalha de honra ao mérito", avaliou. Ele afirmou que tanto o seu governo quanto o do presidente Lula mostram uma posição clara na defesa dos interesses brasileiros na formação do bloco. Durante sua participação no seminário "Após Iraque: o estado da economia mundial", um participante que estava na platéia, ao dirigir uma pergunta ao ex-presidente, referiu-se a ele como "Fernando Lula Cardoso", gerando risadas entre os presentes. "No problem (sem problema)", respondeu o ex-presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.