Brasil terá lei para abater aviões de narcotraficantes

O ministro da Defesa, José Viegas Filho, afirmou nesta terça-feira que o Brasil vai aguardar a regulamentação pelo governo peruano da lei do abate de aviões com suspeita de narcotráfico para adotar a mesma prática no País. Segundo ele, a falta de regulamentação da legislação está impedindo um combate maior ao tráfico de drogas feito por via aérea. Apesar disso, Viegas disse que o problema diminuiu, principalmente na região Norte, após a implantação do Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam).Nesta quarta-feira, em Tabatinga, Viegas, junto com o ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, e com o diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, assinará um acordo de cooperação com os ministros da Defesa do Peru, Roberto Chiabra Leon, e da Colômbia, Jorge Alberto Uribe Echavarria, que terá como objetivo um maior controle sobre os rios da fronteira entre os três países. As autoridades também farão diversas reuniões para definir outras linhas de ações contra o narcotráfico, principalmente relacionadas às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).Nos últimos dias, aviões da Força érea Brasileira (FAB) têm tentado interceptar aviões supostamente carregados com drogas. A operação, entretanto, tem sido limitada por falta da regulamentação da lei do abate. Os pilotos podem, neste caso, apenas fotografar as aeronaves que muitas vezes são repintadas a cada vôo para que não possam ser identificadas futuramente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.