Brasil tem primeira feira de produtos de segurança

O mercado está tão aquecido pela falta de segurança nas grandes cidades brasileiras que o País ganhou este ano um evento especializado em oferecer produtos e estimular debates sobre o tema.A Feira Internacional de Equipamentos, Produtos e Serviços para Defesa (InterDefesa), aberta nesta quarta-feira, no Centro de Exposições Imigrantes, na zona sul de São Paulo, tem como objetivo atender à demanda criada pelo aumento da violência e da preocupação dos governos e da população em combater esses crimes.As atividades da feira ocorrem até sábado, das 10 às 19 horas. Paralelamente à exposição, serão realizadas palestras sobre temas ligados à segurança. A organização do evento informou que o Centro de Exposições será visitado pelos 26 comandantes-gerais da Polícia Militar.Veículos adaptados, munições letais e não-letais, detectores de metais e de carta-bomba, rádio à prova d´água, computador de bordo para carros de polícia, serviços de consultoria e treinamento. Tudo isso pode ser visto na feira, onde também estarão expostos um helicóptero da PM, um tanque de guerra modelo M-41, de 1950 e fabricação americana, e um carro modelo Hummer, usado pelas forças especiais dos Estados Unidos.O comandante-geral da Polícia Militar de São Paulo, coronel Rui César Melo, disse que a feira tem vários produtos úteis, mas o maior alvo de interesse da corporação é a linha de sistemas de comunicação.Entre esses equipamentos está o computador de bordo para carros, que a polícia não tem. O secretário da Segurança Pública de SP, Saulo de Castro Abreu Filho, após percorrer os estandes, concluiu que a polícia paulista não está defasada. "Tudo o que eles têm aqui, nós temos." Em seguida, ele se corrigiu. "Não tudo, mas 90% nós temos", garantiu.Saulo admitiu que o ponto no qual a polícia paulista precisa aprimorar-se é a comunicação. O secretário lembrou que, para conseguir essa melhoria, depende de recursos da ordem de R$ 120 milhões, que ele espera receber da União.Nesta quarta-feira, até as 16 horas, 3 mil pessoas tinham passado pelo Centro de Exposições, segundo estimativa da organização do evento. No primeiro dia, a maior parte do público foi de policiais.Um deles, o soldado André Luís de Lima Augusto, do 28º Batalhão da PM de Andradina (SP), gostou do computador de bordo para carros. "Para mim tudo isso é novidade.?Com 40 expositores, em 3,5 mil metros quadrados, o evento é promovido pela Alcântara Machado Feiras de Negócios, numa iniciativa do Conselho Nacional de Comandantes Gerais das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros.Paralelamente à feira, são realizadas palestras sobre segurança. O diretor do evento, José Danghesi, disse que o volume de negócios previsto para a feira é "incalculável" em termos de valor. Uma empresa produtora de calçados comemorou hoje a venda de 350 pares de coturnos, até as 16h30. "É um bom começo", afirmou o diretor comercial da empresa, Gerson Arroyo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.