Brasil tem maior incidência de hanseníase

O Brasil superou a Índia e se transformou no País com maior prevalência de hanseníase no mundo. De acordo com os últimos dados da Organização Mundial de Saúde, a média no Brasil é de 4,1 casos para cada grupo de 10 mil habitantes. Na Índia, esse índice é de 3,2 pacientes por 10 mil habitantes. Embora reconheça que os índices sejam elevados, o Ministério da Saúde contesta a primeira colocação no ranking da doença. O diretor do departamento de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Nacional de Vigilância em Saúde, Expedito Nuna, atribui a péssima colocação do Brasil à metodologia usada para montar a lista. Nuna afirma que o País não segue dois critérios usados pela OMS. Um deles considera curado o paciente um ano depois do início do tratamento, independentemente de avaliação. O segundo considera também curadas pessoas que abandonaram a terapia. "Por julgarmos incorreto, não adotamos esse método", disse Nuna. O presidente do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas por Hanseníase (Morhan), Artur Custódio de Sousa, tem outra avaliação. "A Índia avançou no combate à doença e nós estamos estagnados", diz. Para ele, o tratamento da doença no País está longe de ser o ideal. "Tivemos o compromisso de que haveria uma ênfase tanto para o diagnóstico precoce quanto para o tratamento, mas muito pouca coisa mudou", afirma. Como exemplo da estagnação, o presidente do Morhan cita o número de casos novos da doença: "Há tempos ele não sofre alterações significativas." No último ano, foram 38,4 mil casos. "Somos os primeiros no mundo e responsáveis por 90% dos casos registrados nas Américas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.