Brasil só perde em disputa com Espanha, diz Marta Suplicy

Ministra do Turismo está em Hong Kong para aprender com a China como organizar eventos esportivos.

Marina Wentzel, BBC

20 de março de 2008 | 17h50

A ministra do turismo Marta Suplicy disse nesta quinta-feira em Hong Kong que o "Brasil só perde com a guerra das deportações".Em viagem à China, a ministra ressaltou que o atrito entre Espanha e Brasil está prejudicando as relações e não é produtivo para nenhum dos lados."O Brasil não ganha nada com essa guerra de deportação, só perde. Mas é fato que brasileiros foram deportados da Espanha, e agora o Brasil está agindo por reciprocidade", disse à BBC Brasil.Ela lembrou que as autoridades brasileiras e espanholas devem se reunir em breve para tentar solucionar o impasse diplomático.Há três semanas Brasil e Espanha tem rejeitado mutuamente a entrada de turistas que não cumpram os procedimentos de admissão nos mínimos detalhes. Os incidentes vêm criando um clima de confronto e os veículos de comunicação da Espanha já batizaram a situação de "a guerra das deportações".Segundo estatísticas do aeroporto Barajas, na capital espanhola, em 2007 dois em cada cinco viajantes que tiveram a entrada negada eram brasileiros.OlimpíadasDurante a viagem à China a ministra Marta Suplicy espera conseguir com os chineses idéias sobre como organizar um evento de proporções olímpicas."Estamos vindo à China para observar e aprender como os chineses organizaram os jogos olímpicos na parte de serviços, planejamento hoteleiro, construções e organização do espaço.""Esperamos tirar lições que nos sirvam na organização da Copa de 2014 e quem sabe na Olimpíada de 2016", disse.O Brasil é aceito como destino turístico pela China desde 2004.De acordo com os dados mais recentes disponíveis, o número de turistas chineses indo ao Brasil aumentou de 18.017, em 2005, para 37.656 em 2006, um crescimento de 109%. Segundo a Organização Mundial de Turismo (OMT) a China enviou 34,5 milhões de turistas ao exterior em 2006 e a expectativa é de que o país se torne o quarto emissor em 2020, atrás apenas de Alemanha, Japão e EUA.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.