Brasil se rearma por mais peso na América Latina, diz 'El País'

'Virada' na polícia de defesa ocorre em meio a rearmamento de Venezuela e Chile.

BBC Brasil, BBC

26 de novembro de 2007 | 07h30

Reportagem publicada nesta segunda-feira pelo diário espanhol El País afirma que "o Brasil optou por dar uma virada significativa em sua política de defesa" com "mais armas e de melhor qualidade para ter mais peso político na América Latina"."O governo de Luiz Inácio Lula da Silva, junto à cúpula militar do país, se encontra elaborando um plano estratégico que virá à luz no começo de 2008, baseado no aumento de até 50% dos gastos em material bélico, uma reorganização das defesas fronteiriças e costeiras e a elevação do papel de principal referência como árbitro nos conflitos que possam surgir no subcontinente", relata o jornal.A reportagem observa que o Brasil pretende gastar US$ 4,6 bilhões em compras de equipamentos para defesa em 2008, contando com um aumento de 50% do orçamento militar em relação a este ano.O jornal comenta que, ao contrário de outros países da região que recentemente anunciaram um programa de rearmamento militar, como a Venezuela e o Chile, "os brasileiros não empregarão a maior parte deste dinheiro em compras no mercado internacional de armas, mas sim desenvolverão uma indústria bélica própria que, além de garantir uma dependência menor de sistemas estrangeiros, colocará o Brasil como referência para outros países na hora de fazer suas próprias aquisições"."O Brasil intensificará a fabricação de aviões de combate e treinamento, sistemas anti-tanque, veículos blindados, barcos pequenos, equipamentos eletrônicos, radares e munição em um ambicioso programa respaldado por capital privado nacional", relata a reportagem.O jornal afirma ainda que "em paralelo, começou o deslocamento permanente de tropas na fronteira amazônica, com a construção de uma cadeia de bases militares que vigiem a linha fronteiriça mais extensa da América do Sul".A reportagem diz que a pressa brasileira se justifica pelo fato de que em 2008 terá sido concluído o programa de rearmamento chileno e a Venezuela terá recebido grande parte de suas compras de armamentos realizadas nos últimos anos."O Brasil é qualificado habitualmente com o título de gigante latino-americano, e agora importantes setores do Exército começaram a reclamar que o gigante comece a atuar", diz o jornal.A reportagem comenta ainda que "algumas vozes, não autorizadas mas significativas" já chegaram a defender o desenvolvimento de armas atômicas para proteger o território brasileiro, como o general José Benedito de Barros Moreira, secretário de Política, Estratégia e Relações Internacionais do Ministério da Defesa."O mundo carece de água, energia, alimentos e minerais, e o Brasil é rico em tudo isso", justificou assim sua posição Moreira, segundo o jornal.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.