Brasil reforçará parceria com a Interpol

A parceria do Brasil com a Organização Internacional de Polícia Criminal, a Interpol, vai ser reforçada. A idéia é enviar no segundo semestre um policial brasileiro para integrar o comitê central da entidade, na França onde 55 países já estão representados. O anúncio foi feito nesta terça-feira pelo ministro da Justiça, José Gregori, após receber o secretário-geral da Interpol, Ronald Noble.Mas a aproximação terá seu custo. Noble pediu que o Brasil aumente sua contribuição anual de US$ 60 mil para cerca de US$ 110 mil a partir do ano que vem. O dinheiro facilitaria o acesso do País ao banco de dados da entidade internacional, segundo Noble. Outra medida prevê a ampliação do horário de funcionamento regular da sede na França - de 8 para 24 horas por dia.No ano passado, a Interpol enviou 18 mil solicitações diversas ao Brasil, onde a Polícia Federal presta serviços para a organização. Nos últimos dois anos, cerca de 100 foragidos internacionais foram detidos no País, segundo policiais brasileiros."O narcotráfico e o crime organizado não podem ser combatidos individualmente pelos países", disse Gregori, reafirmando o interesse do governo brasileiro em ampliar a parceria. O ministro informou que o aumento do valor da contribuição será discutido com a área econômica e o Ministério das Relações Exteriores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.