Brasil reconhece na ONU a existência de trabalho escravo

O Brasil entrou para a história das Nações Unidas. O País foi o primeiro a reconhecer em uma reunião oficial da ONU a existência de "formas contemporâneas de escravidão" em seu próprioterritório. O reconhecimento ocorreu durante o Comitê para a Eliminação da Discriminaçao Racial, que se reuniu para tratar exclusivamente da situação brasileira e apontar as dificuldades do País em lidar com o problema do racismo. Para os representantes do governo em Genebra, existem "situações análogas à escravidão que atingem 25 mil pessoas". Os diplomatas brasileiros, liderados pela ministra Matilde Ribeiro, chefe da Secretaria Especial para o Combate à Discriminação Racional,garantem que essas pessoas serão liberadas. Segundo o embaixador brasileiro Tadeu Valadares, chefe da divisão de direitos humanos do Itamaraty, 5,4 mil brasileiros que eram vítimas de trabalho escravo em 2003 foram resgatados em ações do governo. Em um comunicado de imprensa divulgado pela ONU, a entidade aponta que o trabalho escravo atingiria principalmente as áreas rurais, ondeos trabalhadores são obrigados a assinar contratos ilegais com seus patrões. "Mais de cem anos se passaram após o fim da escravidão noBrasil, mas continua a existir o uso do trabalho escravo", afirmou o comunicado, que lembra que Lula promoteu eliminar o problema até 2006.Mas o trabalho escravo não foi o único ponto que deixou os membros do comitê da ONU perplexos. Muitos dos peritos insistiam em saber o motivopela qual o poder judiciário não atuava de forma mais contundente diante das alegações de racismo. "As leis existem, agora é só colocá-las em prática", afirmou um deles. A delegação brasileira apresentou à ONU um relatório sobre o problema no País com mais de dois anos de atraso. Mesmo assim, optou porreconhecer todos as dificuldades em lidar com o racismo, considerado como "estrutural" por Matilde Ribeiro. A representante do governoainda afirmou que Plano Plurianual promoverá, entre outras coisas, a inclusão social e reduzirá desigualdade racial. Diante dos comentários feitos pelo Brasil e diante da avaliação do relatório, os peritos da ONU irão preparar uma série de sugestões aogoverno para que sejam cumpridas nos próximos anos. O documento será divulgado no próximo dia 12, em Genebra, e transmitido diretamente aogoverno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.