Brasil prende um dos maiores traficantes do mundo

Um dos maiores traficantes de cocaínada Colômbia, Juan Carlos Ramírez-Abadía, foi preso na manhãdesta terça-feira em um condomínio fechado no município deAldeia da Serra, em São Paulo, informou a Polícia Federal. Conhecido como "Chupeta", Abadía era um dos traficantesmais procurados do mundo pela agência antidrogas dos EstadosUnidos, que oferecia recompensa de até 5 milhões de dólares porinformações que levassem à sua captura. De acordo com um porta-voz da PF em Brasília, um pedido deextradição dos EUA já está sendo processado pelo SupremoTribunal Federal (STF) brasileira e, se aprovado, levará àtransferência do traficante diretamente para o país. "Ele tinha feito muitas cirurgias plásticas paraesconder-se melhor. A mensagem importante é que por maispoderosos e ricos que sejam, caem", disse em Bogotá o ministroda Defesa colombiano, Juan Manuel Santos. Ele afirmou tambémque a agência antidrogas dos EUA, a DEA, participou da operaçãode captura no Brasil. Abadía foi detido pela polícia durante uma ação batizada deFarrapos, deflagrada em seis Estados para desmontar umaorganização internacional de tráfico de drogas e lavagem dedinheiro. Segundo comunicado da PF, a ação em São Paulo, Rio deJaneiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande doSul revelou "esquema criminoso em que traficantes colombianostransportavam grande quantidade de entorpecente para a Europa eEUA, cujo lucro retornava ao Brasil, saindo da Espanha e doMéxico, transitando ainda pelo Uruguai". Ainda de acordo com a polícia, a organização lavavadinheiro por meio de "investimentos no ramo imobiliário (hotéise mansões), industrial e na aquisição de veículos". Abadía, 44, é chefe do cartel do Vale do Norte e suspeitode ser mandante de centenas de homicídios na Colômbia e nosEUA, segundo a PF. Descrevendo-o como "extremamente violento", o Departamentode Estado norte-americano estima que sua fortuna possa chegar a1,8 bilhão de dólares, mas poderia estar endividado comdiversos traficantes. O ministro colombiano afirmou que Abadía era dono deesconderijos que foram descobertos no começo deste ano em casase apartamentos na cidade de Cali, onde foram encontrados maisde 80 milhões de dólares em espécie. Segundo as autoridades colombianas, Abadía se entregou emmeados da década de 1990 e, depois de confessar os crimes ecumprir cinco anos de prisão, recuperou a liberdade e voltou aomundo do tráfico de drogas. (Por Carolina Schwartz; reportagem adicional de RaymondColitt, em Brasília, e Luis Jaime Acosta, em Bogotá)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.