Brasil prende militar uruguaio acusado de crimes na ditadura

O coronel uruguaio reformado Manuel Cordero, acusado de violações aos direitos humanos, foi detido nesta segunda-feira no Brasil, disse um porta-voz da Polícia Federal, e será extraditado para a Argentina. "Ele foi detido na tarde de hoje (segunda-feira, 26) e está sendo levado a Porto Alegre pela Polícia Federal", disse à Reuters um membro da PF em Santana do Livramento, perto da fronteira com o Uruguai, onde Cordero foi preso. Um diplomata argentino em Brasília afirmou que o militar será extraditado para a Argentina, onde é acusado de cometer vários crimes. "A embaixada se envolveu neste caso, e será extraditado em poucos dias", declarou o diplomata. O coronel é acusado de ter participado do assassinato do ex-senador uruguaio Zelmar Michelini e do ex-presidente da Câmara dos Deputados Héctor Gutiérrez Ruiz em Buenos Aires em maio de 1976. Ambos os políticos haviam se exilado na Argentina em 1973 fugindo da ditadura no Uruguai. O militar, casado com uma brasileira, havia pedido asilo no Brasil argumentando que era vítima de perseguição política. Organismos de direitos humanos acusam Cordero de cometer crimes durante a Operação Cóndor, um plano militar multinacional dos anos 1970 para reprimir opositores das ditaduras da região. Texto ampliado às 22h10

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.