Brasil pode produzir nova vacina contra a varíola

O Ministério da Saúde poderá começar a produzir uma nova vacina contra a varíola, doença erradicada do mundo nos anos 80 e que é considerada uma das maiores ameaças do bioterrorismo. O projeto está sendo analisado pelo ministro da Saúde, José Serra.A assessoria de imprensa do ministério disse que o início da produção ainda depende do sinal verde da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que está analisando os riscos reais de uma epidemia global da doença e a necessidade de investimentos em novas vacinas. A avaliação deve ficar pronta ainda este mês.A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) é a instituição mais cotada para produzir as vacinas. Outros laboratórios também poderiam colaborar com pesquisas de uma nova vacina, mas nada foi definido. O assunto, no entanto, já começou a ser discutido por técnicos da Fundação Nacional de Saúde e da Fiocruz.A decisão de pesquisar novas vacinas seria do próprio ministro José Serra, seguindo tendência internacional de mobilização para prevenir uma possível epidemia de varíola. O esforço é liderado pelos Estados Unidos, que já começou as pesquisas.Apesar de a varíola já ter sido erradicada, ainda há estoques de vacina no mundo. O problema é que as vacinas existentes não são muito eficazes e só existem para algumas variações do vírus. As vacinas ficaram em uma espécie de banco de dados como precaução contra a volta do vírus, mas, no caso de uma grande epidemia, elas não seriam suficientes para evitar epidemias.Ameaça - Especialistas já alertaram que a varíola pode representar um perigo ainda maior do que o antraz porque o vírus que causa a doença é transmitido mais facilmente (por meio de contato pessoal) do que a bactéria do antraz. Outro complicador seria o fato de que estoque de vacina não é suficiente para controlar grandes epidemias. No caso do antraz, existe um antibiótico eficaz e disponível, o Cipro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.