Brasil pesquisa variedades de tangerina

O Brasil está buscando novas variedades de tangerina para concorrer no mercado internacional e também para expandir o mercado interno, informou na quinta-feira Rose Mary Pio, coordenadora da 4ª edição do Dia da Tangerina, no Centro de Citricultura, em Cordeirópolis. Segundo ela, das 42 variedades desenvolvidas a partir de espécies importadas, dez foram selecionadas para testes em regiões de Goiás, São Paulo, Mato Grosso, Minas e Rio Grande do Sul.A expectativa é de que, após duas ou três safras destas variedades, seja possível definir uma delas para ser produzida em escala comercial. "É um projeto que demanda tempo para pesquisas e deve ser concluído apenas a longo prazo", comentou.Atualmente, das cerca de 20 milhões de caixas de tangerina produzidas no Brasil, 65% são da variedade ponkan. "Isso acaba restringindo o mercado, porque a produção fica concentrada em apenas quatro meses do ano, a demanda se esgota com a elevada oferta neste período e deixa de existir em outras épocas", avalia o engenheiro agrônomo Marcos Pozzan, da Montecitrus, de Monte Azul Paulista.Segundo ele, o interessante para o Brasil seria desenvolver variedades na entressafra da ponkan para conquistar o mercado interno. "O Brasil teria capacidade de absorver, pelo menos, o dobro do volume produzido hoje", acredita o agrônomo.Segundo Antônio Ambrósio Amaro, do Instituto de Economia Agrícola (IEA), o interesse do mercado internacional pela ponkan também vem crescendo. Na safra passada o Brasil exportou 12 mil toneladas de tangerina, ante cerca de sete mil na safra anterior. A maior parte deste mercado consumidor é asiática. "Temos condições de crescer muito mais nesta área", acredita.O próprio Amaro, no entanto, diz que é preciso cautela do produtor para que a produção não seja elevada repentinamente, superando a oferta. Segundo ele, o Brasil ainda possui cerca de 1,1 milhão de árvores para entrar em produção, além das 9 milhões que já estão produzindo. "Se todos começarem a ver na tangerina a alternativa financeira, o preço cai", avalia, lembrando que muitos produtores partiram em busca deste "caminho rentável" a cerca de cinco anos, quando estudos apontaram que a tangerina era resistente ao CVC, ou amarelinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.