Brasil não pode ficar entre as quatro maiores taxas de juros do planeta, diz Ciro Gomes

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, afirmou que há indicadores econômicos que mostram o acerto do presidente Lula na condução da política econômica. "O câmbio chegou a menos de R$3,00 e a inflação cedeu. Estamos abrindo um caminho consistente e abrindouma janela para a queda sustentada do juros e o início de um ciclovirtuoso", disse. "Antes de receber a visita é preciso o sacrifício dafaxina", justificou o ministro, na palestra sobre "A proposta do novo governo para a região Centro-Oeste". Apesar de afirmar que há outras pessoasno governo responsáveis pela trajetória dos juros o ministro da Fazenda,Antônio Palocci, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles - Ciroafirmou que não dá mais para o País estar entre as quatro maiores taxas dejuros reais do planeta. Ele afirmou que a agenda do governo a partir de agora "seconcentrará fortemente nas reformas constitucionais". Ele admitiu que que as reformas não farão milagres mas darão sustentabilidade às contas públicas. O ministro fez um relato da situação em que o atual governo recebeu as contas públicas.Segundo ele, o governo recebeu o País com uma dívida externa a ser pagaeste ano de US$ 62 bilhões e reservas de US$ 15 bilhões. "A consequênciafoi a falta de dólar no mercado, que levou a cotação a quase R$ 4,00 e aameaça da volta da inflação", disse. "Esse foi o cenário que a sociedadecelebrou a escolha do presidente Lula", avaliou. Proposta para SudeneCiro Gomes afirmou quena segunda-feira apresentará ao presidente Lula uma proposta de reativaçãoda antiga Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene).Segundo ele, o novo formato da instituição será "completamente blindadopara as fragilidades éticas do passado". Ciro disse que a proposta do seuministério prevê a criação da Sudene por projeto de lei, mas caberá aopresidente Lula decidir a melhor forma. O ministro informou que serão realizados seminários para discutir a proposta. O primeiro será na próxima quarta-feira, na Federação da Indústria de São Paulo (Fiesp). Serão realizados seminários no Rio, em Belo Horizonte e nas capitais donordeste. O último será em Recife no dia 13 de junho. A expectativa doministério é entregar para o presidente a proposta definitiva no final dejunho. O ministro fez uma palestra durante a 3ª Convenção Lojistado Centro-Oeste.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.