Brasil não cumprirá meta da ONU de reduzir pobreza até 2015

O Brasil está entre os 11 países da América Latina que não conseguirão reduzir a pobreza extrema pela metade até 2015, cumprindo meta fixada pela Organização das Nações Unidas (ONU). A conclusão é de um estudo realizado pela Cepal (Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe) em conjunto com o Ipea (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas-Brasil) e o programa Objetivos de Desenvolvimento do Milênio da ONU.De acordo com o trabalho ´Rumo ao Objetivo do Milênio de Reduzir a Pobreza na América Latina e no Caribe´, apenas sete de 18 países da região alcançariam a meta fixada pela ONU, caso as condições de crescimento e distribuição de renda verificadas na década passada se mantenham: Chile, Colômbia, Honduras, Panamá, República Dominicana, Uruguai e Argentina. O Brasil faz parte do grupo que reúne Costa Rica, El Salvador, Guatemala, México e Nicarágua. Esses países também têm condições de reduzir a pobreza extrema, mas em ritmo muito mais lento. Já Bolívia, Equador, Paraguai, Peru e Venezuela teriam um aumento nos níveis de pobreza se fossem mantidas as condições dos anos 1990. Distribuição de renda é base do estudoO estudo toma por base a evolução histórica da distribuição de renda. Para atingir os objetivos da ONU, a maior parte do países precisaria obter uma redução de um ou dois pontos percentuais no índice Gini, que mede a concentração de renda dos países. Além disso, são necessárias taxas anuais de crescimento econômico da ordem de 3%. "O crescimento econômico que não afeta a distribuição de renda não influi na melhoria dos níveis de vida de quem vive em estado de pobreza extrema", destaca o estudo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.