Brasil não classifica tendência política, diz Lula em Havana

Presidente afirmou que País ' não é território de classificação de tendência política ou grupo de luta armada`

Vera Rosa, enviada especial ,

15 de janeiro de 2008 | 21h37

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu uma estocada no colega da Venezuela, Hugo Chávez, que defende a classificação das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) como "força beligerante" e não como grupo terrorista. " O Brasil não é um território de classificação de tendência política ou de grupo de luta armada", afirmou Lula durante entrevista concedida em Havana, onde se encontrou agora há pouco com o líder cubano Fidel castro.   Veja Também:   'É abominável essa história de seqüestros',diz Lula sobre Farc  Raúl recebe Lula em Cuba; Brasil quer investir R$1 bi Galeria de fotos do resgate das reféns  Assista às imagens da libertação Saiba quem são as reféns Entenda o que são as Farc Cronologia: do seqüestro à libertação   "O Brasil sugere sempre a orientação da ONU: aquilo que a ONU determina, o Brasil tem que seguir".   Ao ser questionado pelos jornalistas sobre a maneira como as Farc deveriam ser tratadas, o presidente respondeu: "Ora, veja, como elas são". Para Lula, é possível negociar com as Farc para libertar os reféns seqüestrados.   "Fazer com que pessoas inocentes paguem o preço da disputa política não é admissível para qualquer ser humano do mundo. É abominável essa história de seqüestros", declarou Lula. Acrescentou que a manutenção de pessoas em cativeiro "não pode ser feita por nenhum ser humano em juízo perfeito, no mundo."

Mais conteúdo sobre:
LulaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.