Brasil lidera batalha diplomática contra EUA, diz 'Página 12'

Segundo jornal, Brasil quer 'evitar manobras dos EUA para desculpar Colômbia'.

Da BBC Brasil, BBC

17 de março de 2008 | 08h10

"O Brasil vai liderar uma discreta batalha diplomática hoje com os Estados Unidos na Organização dos Estados Americanos(OEA), diz reportagem publicada nesta segunda-feira pelo diário argentino Página 12."Os governos do Brasil e dos Estados Unidos defenderam posições contrárias durante o conflito regional: enquanto o presidente (Luiz Inácio) Lula da Silva 'condenou' a 'violação da integridade regional', seu colega George W. Bush ratificou o respaldo ao presidente colombiano Álvaro Uribe em sua luta contra o 'terrorismo'." Segundo o jornal, o governo brasileiro deverá, em acordo com representantes dos governos argentino, chileno e venezuelano, montar um "dique de contenção contra as manobras americanas para desculpar o presidente (colombiano) Álvaro Uribe pela invasão do território equatoriano".Nesta segunda-feira, o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, deverá apresentar um relatório sobre sua visita ao acampamento das Farc, atacado por tropas colombianas no dia 1º de março, "dando origem à crise que estremeceu a região".Segundo o Página 12, o governo americano deverá argumentar, na reunião em Washington, que o combate ao terrorismo não pode respeitar as fronteiras e a "noção tradicional de soberania deve ser substituída pela de soberania relativa"."Para o Brasil, por outro lado, é inegociável a defesa do artigo 21 da Carta da OEA, que consagra a inviolabilidade dos territórios nacionais." De acordo com o jornal, Brasília estaria disposta a aprovar na reunião desta segunda-feira, na OEA, a criação de um grupo diplomático-militar formado por colombianos e equatorianos para atuar na fronteira ente os dois países. Para o Página 12, a posição brasileira demonstra, além de solidariedade com o Equador, a defesa do interesse próprio, já que "o princípio da soberania relativa poderia abrir espaço para a criação de tropas multinacionais que se dêem o direito de entrar nos quase quatro milhões de quilômetros quadrados da Amazônia brasileira".O jornal ainda afirma que a morte de Raúl Reyes, o número 2 das Farc, na ação colombiana, foi uma "derrota" para Lula, já que Reyes era o principal negociador da guerrilha com governos estrangeiros, e desde o fim de 2007 o Brasil havia "apostado na liberação dos seqüestrados em poder da guerrilha e se somou às primeiras tentativas de resgate promovidas pelo presidente venezuelano Hugo Chávez".O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, teria inclusive dito ao Página 12 que, para o Palácio do Planalto, teria sido preferível que a disputa entre Equador e Colômbia tivesse sido resolvida regionalmente."Em outras palavras: Para o titular da diplomacia brasileira era melhor que a Casa Branca tivesse mantido distância do problema, o que não ocorreu", afirma o diário argentino.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.