Brasil leva à Tailândia pesquisas sobre vacina da aids

O Brasil já é capaz de montar "o quebra-cabeças" do principal vírus da Aids (Síndrome daImunodeficiência Adquirida) no país, o HIV tipo 1. Pode inclusive, detectar e especificar com maior precisão as variantes virais ou subtipos que estão circulando entre os infectados pela doença. Esta será uma das principais apresentações, entre 25 experiências e pesquisas, que o Brasil levará à 15ª Conferência Internacional sobre Aids, na Tailândia, que começa amanhã. Uma das mais importantes é a da produção de uma vacina preventiva.A identificação dos vírus da AIDS no Brasil, segundo a Agência Brasil, foi possível a partir do trabalho de seqüenciamento genético completo do vírus, desenvolvido em laboratórios da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). A experiência será apresentada na Tailândia pelo infe ctologista Ricardo Diaz. A identificação dos vírus é importante para orientar a escolha de medicamentos e de políticas públicas no controle epidemiológico e também para auxiliar na obtenção da vacina antiretroviral, que, no Brasil, já está em fase de tes tes, afirma um dos autores do trabalho, Mário Gianini, professor adjunto do Departamento de Infectologia e da Disciplina de Doenças Infecciosas e Parasitórias da Unifesp. Segundo Gianini, a visualização detalhada dos genes é feita por meio do princípio de biologia molecular, denominado PCR(sigla em inglês Polymerase Chain Reaction que, em português significa Reação em Cadeia pela Polimerase), uma reaçãoenzimática. Cópia s de fragmentos do vírus são ampliadas e analisadas em progressões geométricas que dão margemsuficiente de acertos na identificação da prevalência ou do tipo de infecção constatada entre os doentes. No Brasil, a maioria dos doentes está contaminada por subtipos de retrovírus da variante B. A preocupação dos pesquisadores, entretanto, é com o aumento de casos de outros subtipos, como o C, detectados mais ao sul do país, como observa a bióloga Maria C ecília Araripe Sucupira, do Laboratório de Retrovirologia da Unifesp. Maria Cecília cita dados de um estudo realizado em uma área de incidência elevada, na cidade de Santos (SP), onde foiverificado aumento do número de pacientes com presença no organismo de cepas do vírus resistentes a medicamentos. Entreos fatores que a gravam as condições epidemiológicas, está o fato de que nem sempre os contaminados tomam os remédiosde forma correta, o que provoca o surgimento de vírus resistentes aos remédios. O empobrecimento da população é outra causa do surgimento de novos infect ados, com crescimento, sobretudo, na região Nordeste do país. Além disso, o Brasil passou a registrar maior número de mulheres afetadas pelo mal.Para o chefe do Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Hospital Clemente Fraga Filho, da Universidade Federal doRio de Janeiro, Luiz Antônio Alves de Lima, a eficácia do programa governamental brasileiro pode ser vista pelos resultados: o núme ro esperado de doentes caiu de l, 2 milhão para 660 mil, com um total de 310 mil notificados. Vacina As pesquisas no Brasil para obtenção de uma vacina preventiva contra a Aids estão ainda em fase de testes desegurança. Os pesquisadores precisam saber se o produto não causa efeitos adversos. Para isso, vêm sendo selecionados,desde o início de junho, v oluntários saudáveis, na faixa etária de18 a 50 anos.De acordo com José Valdez Madruga, um dos coordenadores da pesquisa integrada à rede mundial, os efeitos têm sidoapenas um pouco de dor no local de aplicação e febre baixa. Madruga considera a vacina a única forma eficaz de controlar a epidemia mundial, que cresce a um ritmo de 14 mil novos diários. Mesmo considerando que a obtenção ainda está em faseembrionária, Valdez Madruga acredita que a vacina estará disponível nos próximos anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.