Brasil já atingiu meta de redução de pobreza, afirma Lula

Para o presidente, com parâmetro do salário mínimo, taxa de pobreza extrema caiu de 28% para 16%

03 Setembro 2007 | 08h02

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou, nesta segunda-feira, 3, em seu programa semanal de rádio, Café com o Presidente, sobre as oito metas do milênio para o Brasil. Segundo Lula, a meta de reduzir pela metade o número de brasileiros vivendo em extrema pobreza já foi atingida - o índice caiu de 8.8 para 4.2. "Usando o parâmetro do salário mínimo, a taxa de pobreza extrema caiu de 28% para 16% e o da pobreza caiu de 52% para 38%".   Brasil lança neste mês novo satélite para monitoramento territorial Brasil reduz miséria e atinge meta da ONU, mas desigualdade ainda é grande    Lula também citou o desmatamento. "Entre 2005 e 2007, foram 52% de diminuição do desmatamento", disse. O presidente acrescentou que será possível reduzir o desmatamento ainda mais porque agora é possível monitorar via satélite as florestas. Além disso, disse que o número de áreas de conservação passou de 265 para 288, , entre 2002 e 2006.   Sobre o Plano Plurianual, Lula disse que o Orçamento prevê investimento na área social de R$ 72,9 bilhões. Questionado se isto não representa um gasto muito grande para esta área, Lula disse que "é preciso mudar a terminologia de gastos para investimentos". "Durante 500 anos se trabalhou para aumentar a desigualdade, nós agora temos que trabalhar para diminuir essa desigualdade", disse.   Segundo Lula, investimento na área social resulta em menos jovens na criminalidade, menos desemprego, e menos pessoas sofrendo por falta de assistência médica ou saneamento básico. "Na verdade é tudo que o povo quer", afirmou Lula.   Lula disse ainda que o Plano Plurianual prevê ainda que, até 2010, sejam construídas 10 universidades federais novas, 48 novos campi e 214 novas escolas técnicas. "Educação para nós é o pilar principal que vai levar o Brasil a se transformar em uma nação desenvolvida", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.