Brasil estuda envio de mais soldados ao Haiti, diz Exército

Governo confirma ajuda humanitária de US$ 10 milhões ao país, atingido por terremoto.

Fabrícia Peixoto, BBC

13 de janeiro de 2010 | 11h36

O Comando do Exército informou nesta quarta-feira, em Brasília, que o Ministério da Defesa está estudando o envio de tropas adicionais ao Haiti, após o terremoto que atingiu o país, na terça-feira.

Segundo o general Carlos Alberto Neiva Barcellos, chefe de Comunicação do Exército, um dos maiores obstáculos é o excesso de escombros pelas ruas de Porto Príncipe, que estão inviabilizando o deslocamento de veículos.

Ainda nesta quarta-feira, o Ministério das Relações Exteriores confirmou que o governo brasileiro vai enviar uma ajuda humanitária no valor de US$ 10 milhões ao Haiti.

Ainda não está decidido, no entanto, de que forma este montante será destinado - se diretamente ao governo haitiano através da ONU, ou se em suprimentos e alimentos.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, embarca ainda nesta quarta-feira para o Haiti em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), acompanhado pelo embaixador brasileiro no país, Igor Kiqman, que estava no Brasil.

Em massa

O general Neiva disse ainda que a população civil haitiana tem se deslocado "em massa" em direção à base do Comando do Batalhão brasileiro, que foi menos atingida pelos abalos.

Segundo ele, essas pessoas estão procurando socorro e auxílio no resgate dos feridos.

A maior parte dos 1.266 militares brasileiros que atuam no Haiti estava na base na hora do tremor.

O Comando do Exército informou também que o rodízio das tropas brasileiras que acontece a cada seis meses foi suspenso temporariamente, sem previsão de quando será retomado.

Na terça-feira, antes do terremoto, um avião com 130 militares que iriam render outros que atuavam no Haiti teve de retornar a Brasília, pois não encontrou condições de pouso no país.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.