Brasil estuda aquisição de sistema antiaéreo da China

O Brasil precisa criar uma nova e moderna estrutura de defesa antiaérea para atender à necessidade da segurança da Copa de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016, e pode comprar esse equipamento na China. No dia 12 de abril, em Pequim, durante visita da presidente Dilma Rousseff, o assunto foi tratado entre representantes da China National Precision Machinery Import and Export Corporation (CPMIEC), a agência estatal responsável pelos equipamentos eletrônicos de Defesa e autoridades brasileiras. Em 2008, os chineses já haviam submetido uma proposta preliminar ao Comando do Exército.

AE, Agência Estado

02 de maio de 2011 | 12h01

Entretanto, essa não é a única possibilidade: os especialistas da Força terrestre estão pesquisando equipamentos junto a outros fornecedores estrangeiros. Qualquer negócio só será tratado em 2012. O Exército quer adquirir um sistema antiaéreo tridimensional digital, de modo variável de detecção.

A seleção e encomenda do novo sistema antiaéreo é prioridade no reaparelhamento do Exército brasileiro. Segundo uma fonte do Ministério da Defesa ouvida pelo jornal O Estado de S. Paulo, a aquisição depende da liberação de recursos. Este ano as despesas militares foram drasticamente cortadas pelo governo e as discussões para o próximo ano nem sequer começaram. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Brasilsistema antiaéreoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.