Brasil está pronto para enriquecer urânio em 2004

O Brasil estará efetivamente enriquecendo urânio a partir do início de 2004, quando a primeira das dez cascatas que serão adotadas na fábrica de Resende (RJ) entrar em funcionamento, embora só ao longo do ano o enriquecimento atinja uma escala que permita seu aproveitamento comercial nas usinas do país. A informação é do presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), Oldair Dias Gonçalves. Segundo ele, já este ano, as centrifugadoras da primeira cascata da unidade de Resende entram em fase de teste, mas operando sem o urânio. Golçalves explicou que com apenas 30% do seu território prospectado, o Brasil já tem a terceira maior reserva mundial de urânio, com cerca de 600 mil toneladas. "Temos um enorme potencial exportador de urânio enriquecido. Para se ter uma idéia, nossas reservas são suficiente para tocar as nossas usinas por cerca de mil anos. No entanto, descaso de governos anteriores fazem com que, hoje, o minério utilizado em Angra 1 e 2 saia de Catité, na Bahia, vá para o Canadá, onde é convertido em gás, seguindo depois para a Europa, onde é enriquecido, e volte em forma de gás para Resende, onde é transformado em pastilha". O presidente da Cnen lembrou ainda que apenas seis países no mundo dominam a tecnologia de ultracentrifugação: Rússia, China, Japão, e um consórcio europeu (Urenco) formado por Holanda, Alemanha e Inglaterra - e é justamente este consórcio que abastece a s usinas nacionais. Até mesmo a França e os Estados Unidos utilizam uma tecnologia considerada ultrapassada pelos cientistas. Estes dois países desenvolvem pesquisas no sentido de adotar a tecnologia por centrifugação. As informações são da Agência Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.