Brasil está entre piores em lista de educação da OCDE

Lista mede conhecimento de ciências de estudantes do segundo grau em 57 países; País fica entra 50º e 54º

29 de novembro de 2007 | 10h45

O Brasil ocupa uma constrangedora 52ª posição na pesquisa Pisa, levantamento realizado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que avaliou em 2006 a capacidade de estudantes do ensino secundário, de 15 anos de idade, em 57 países que totalizam quase 90% do PIB mundial.    Tabela completa de notas de ciências  Brasil no IDH  Exemplo de prova de Ciências (em inglês)  Exemplo de prova de Matemática (em inglês)   A divulgação oficial dos dados do Pisa só acontecerá no dia 4 de dezembro, mas a OCDE liberou nesta quinta-feira, 29, uma prévia do resultado da prova de ciências, reagindo ao vazamento de parte dos dados na imprensa européia. O Pisa contemplou também exames de linguagem e matemática.   O desempenho dos estudantes brasileiros no ranking de ciências foi considerado superior apenas ao da Colômbia, Tunísia, Azerbaijão, Catar e Quirguistão, que é o lanterninha.  A pesquisa Pisa é liderada pela Finlândia. O grupo dos dez países melhores posicionados é completado por Hong Kong, Canadá, Taiwan, Estônia, Japão, Nova Zelândia, Austrália, Holanda e Liechtenstein.   Entre os países sul-americanos, o Chile é o melhor colocado na lista divulgada nesta quinta, 40º, empatado com a Bulgária. O Uruguai ficou em 42º.   Segundo a OCDE, o Pisa é a pesquisa internacional mais "abrangente" e rigorosa" do desempenho dos alunos secundaristas. Os estudos se concentraram, em 2006, no nível de conhecimento dos estudantes na área de ciência e sua capacidade de usar esse conhecimento para identificar e resolver problemas do dia-a-dia.   "Na competitiva economia global de hoje, a qualidade da educação é um dos ativos mais valiosos que uma sociedade e um indivíduo podem ter", disse o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría.

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãoocdelistarankingciências

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.