Carlos Humbero|STF
Carlos Humbero|STF

Brasil está 'ávido' para encontrar uma 'saída para frente', afirma Gilmar Mendes

Ministro do Supremo fala sobre atual momento de crise no País e sobre a necessidade de reforma eleitoral

Ana Fernandes, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2015 | 11h25

São Paulo - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, afirmou que é claro que os brasileiros devem estar apreensivos com o momento de crise que vive o País e ávidos por soluções. 

"Devemos certamente estar apreensivos no momento atual e certamente ávidos para encontrar uma fuga pra frente", disse o ministro em palestra na Associação dos Advogados de São Paulo (AASP), sobre reforma eleitoral. Mendes disse que, apesar desse sentimento de busca ávida por adequações institucionais, o País tem um histórico positivo de 30 anos de democracia. 

Ele lembrou a fala do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de que hoje, ao menos, no momento de crise, ouvimos nomes de juízes em vez de ouvirmos nomes de generais, o que é um sinal positivo em termos de fortalecimento das instituições.

O ministro avaliou que "talvez o grande desafio hoje esteja concentrado na reforma do sistema eleitoral" e afirmou que falta vontade política aos governos para avançar nesse ponto. "O governo tem outros compromissos e não quer gastar sua energia política com esse tema", afirmou, argumentando também que políticos têm "desconfiança" em alterar o sistema que os elegeu, seja em termos de financiamento de campanha ou de sistema de votação - passando a distrital ou lista fechada, por exemplo.

Gilmar Mendes disse não ter uma posição se seria melhor o financiamento público ou fechado, mas avaliou que essa definição deveria ser feita depois de se decidir a alteração sobre o sistema de votação. Para ele, se passarmos à votação em lista fechada, o País poderia adotar o financiamento exclusivamente público. "Não podemos desde logo dizer que vamos ter financiamento público e continuar com o sistema de lista aberto que está aí."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.