Brasil entra na rota de contrabando de mísseis

O contrabando de componentes de alto valor extraídos de dentro da fuselagem dos grandes mísseis intercontinentais soviéticos, mantidos na Ucrânia até 1992, passa pela Amazônia, seguindo as rotas do narcotráfico. A conexão funciona por meio de um esquema sofisticado, envolvendo um ramo da máfia russa de Nova York, também ligado ao roubo de carros de luxo com muitos acessórios opcionais - quase sempre séries especiais das linhas alemãs Mercedes-Benz e BMW. A opção pelas passagens de escoamento de drogas na América do Sul "tem a ver com o fato de que é fácil chegar e entrar no norte do continente com os metais nobres retirados dos foguetes", no entender de um oficial da Inteligência militar brasileira. O alerta sobre o comércio irregular de partes dos mísseis (apenas dos transportadores; as ogivas nucleares foram removidas há 12 anos) foi dado na semana passada pelo ministro da Defesa da Ucrânia, Yevhen Marchuk. Leia mais no Estado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.