Brasil e Peru celebram 10 anos de aliança, diz Dilma

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira, 11, que Brasil e Peru já possuem um conjunto de projetos bilaterais que vem sendo implementado. "Celebramos esse ano, dez anos de nossa aliança estratégica. Um conjunto de projetos internacionais vem sendo implementado e os resultados têm sido muito concretos", disse, em Lima, durante cerimônia ao lado do presidente do Peru, Ollanta Humala

CARLA ARAÚJO E GUSTAVO PORTO, Agência Estado

11 de novembro de 2013 | 17h45

Dilma, que faz uma visita oficial ao país pela quarta vez, destacou que o objetivo do encontro é continuar avançando na integração. "E criamos grupo de trabalho para isso", afirmou.

A presidente brasileira oficializou o acordo na área de telecomunicação entre os dois países, que, segundo ela, "poderá servir de modelo para a toda a América do Sul". "Em telecomunicações, firmamos acordo que acaba com roaming entre cidades na fronteira", disse.

O acordo permitirá que os moradores da cidade de Assis Brasil, no Acre, pelo lado brasileiro, e os moradores das cidades peruanas de Inapari e Iberia possam falar em seus telefones celulares, sem ter de pagar o roaming internacional, naquela fronteira. Este será um projeto-piloto, que depois deverá ser estendido para outras áreas fronteiriças, mas sem data marcada. O segundo acordo é de cooperação entre as agências de água entre os dois países, e o terceiro que prevê o intercâmbio de experiência em relações trabalhistas.

A presidente afirmou ainda que, durante o encontro com o presidente Humala, as discussões mais importantes foram as do âmbito social. "Demos ênfase na questão da área social", reforçou, destacando que o Brasil tem se desenvolvido nesta área, pois produziu mudanças na distribuição de renda, afirmou, citando o Bolsa Família.

Dilma disse também que foram discutidas parcerias na área da saúde para produzir medicamentos no Peru. Segundo ela, o Ministério da Saúde comandará trabalhos com outras entidades para a produção de remédios contra a malária e a tuberculose.

Tráfico de pessoas

A presidente disse ter firmado um acordo de cooperação com Humala para combater o tráfico de pessoas. "Firmamos um acordo de cooperação para combater o tráfico de pessoas, principalmente os haitianos, pois consideremos que eles são bem-vindos e muitos são vitimas de coiotes", disse ela, numa referência às pessoas que atuam para a entrada de imigrantes ilegais nos países.

Ela pediu que os dois países desenvolvam a cooperação de tecnologia e a integração das indústrias, além de ampliar o comércio bilateral. "Olhamos com muita satisfação aumento do comércio, as exportações cresceram mais de 50%, e o Brasil terminará o ano como o terceiro maior parceiro comercial do Peru", disse. "O Brasil é o sexto maior investidor no Peru, com estoque de US$ 1 bilhão".

Dilma avaliou que os Países da Unasul têm obrigação de construir integração em um espírito democrático e lembrou que Humala presidiu a entidade. "A Unasul precisa ser fortalecida e a região tem futuro importante pela frente. É uma parceria que transcende as fronteiras e as relações Sul-Sul e tem um futuro importante porque a região vive em paz."

A agenda prevê a participação de Dilma na abertura de um seminário com empresários brasileiros e peruanos. Dilma também receberá as chaves da cidade de Lima das mãos da prefeita Susana Villarán. A volta da presidente ao Brasil está prevista para as 20 horas (horário de Brasília).

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaPeru

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.