Brasil e Índia têm compromisso de paz, afirma Dilma

No discurso feito na Universidade de Nova Délhi, onde recebeu o título de doutora honoris causa, a presidente Dilma Rousseff disse que Brasil e Índia têm avançado no objetivo de assegurar melhores condições de vida às suas populações, e que compartilham, também, o mesmo compromisso de "construção de um sistema internacional mais democrático, enraizado no direito internacional e voltado para a cooperação e para a paz".

TANIA MONTEIRO, ENVIADA ESPECIAL, Agência Estado

28 de março de 2012 | 09h29

Ao citar a parceria estratégica estabelecida entre os dois países em 2006, Dilma lembrou que de 2003 a 2011, o comércio entre Brasil e Índia aumentou nove vezes. As cifras, segundo ela, chegaram a quase US$ 10 bilhões em 2011. Hoje, prosseguiu, o desafio é fazer com que as afinidades se traduzam em realizações concretas.

Dilma lembrou que Brasil e Índia tiveram uma industrialização tardia.

Por isso, prosseguiu, "tivemos e temos hoje desafios comuns", de levar adiante projetos nacionais de desenvolvimento, capazes de lograr altas taxas de crescimento e, ao mesmo tempo, de eliminar a pobreza e, sobretudo, reduzir a desigualdade social em um marco de expansão e de aprofundamento da democracia.

A presidente disse também que, apesar da crise internacional , as duas economias revelaram capacidade de dinamismo, inovação e crescimento, em taxas muito superiores às dos países mais avançados, o que se acentuou após a crise de 2008-2009.

Sobre a reunião do Brics, grupo integrado por Brasil, Índia, Rússia, China e África do Sul, que será realizada amanhã, em Nova Délhi, Dilma disse que os países terão a oportunidade de "discutir questões centradas no tema de uma parceria para a estabilidade, segurança e crescimento.

Dilma vai se reunir mais tarde com o presidente da África do Sul, Jacob Zuma e depois participará do jantar de abertura da reunião do Brics.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaÍndia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.