Secretaria da Cultura de Pernambuco
Secretaria da Cultura de Pernambuco

Brasil é condenado em processo de demarcação de terra indígena

Decisão aponta responsabilidade do País quanto à violação a direitos do povo da etnia xukuru de ororubá, em Pernambuco

André Borges, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2018 | 23h37

BRASÍLIA - A Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou o Brasil em um processo que se arrasta desde 1989 para demarcação de um território tradicional indígena localizado no município de Pesqueira, em Pernambuco. O País foi condenado a finalizar o processo de demarcação do território e indenizar ocupações feitas por não indígenas na região.

+++ Governo muda regra de demarcação para terras indígenas

A decisão aponta a responsabilidade internacional do País quanto à violação a direitos de propriedade coletiva, garantia judicial e proteção judicial para o povo indígena da etnia xukuru de ororubá, segundo informações do Conselho Missionário Indigenista (Cimi), que atuou no caso. 

+++ MPF diz que portaria da demarcação de terras indígenas é ilegal e pede revogação

Com a decisão publicada na segunda-feira, 12, o País tem o prazo máximo de 18 meses para cumprir as determinações da Corte - no período de um ano, deverá apresentar um relatório sobre as medidas adotadas.

+++ Indígenas ocupam Jaraguá, desligam antenas e 600 mil ficam sem televisão

De acordo com Cleber César Buzatto, secretário Executivo do Cimi, é a primeira na qual o Brasil é condenado por violações contra os direitos dos povos indígenas. O processo havia sido julgado pela Corte em 21 de março, na Cidade da Guatemala. 

"A decisão é de fundamental importância para os xucuru e demais povos indígenas do Brasil. A Corte reconhece e afirma juridicamente o direito originário e coletivo dos povos às suas terras tradicionais e a obrigação do Estado brasileiro de fazer valer esse direito em tempo adequado", diz Buzatto. "Essa decisão fortalece a luta dos povos contra a tese do marco temporal, o parecer antidemarcação da AGU (Advocacia-Geral da União) e permanente ameaça da PEC 215/00, entre outras."

A Corte Interamericana declarou que vai supervisionar o cumprimento integral da sentença, que incluiu o pagamento por benfeitorias feitas pelos ocupantes não indígenas do território, que serão retirados, e a criação de um fundo, que será administrado pelos índios xukuru.

O caso dos xukuru foi denunciado à Comissão Interamericana de Direitos Humanos em 2002. Hoje vivem mais de 11 mil indígenas em uma área de 27.555 hectares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.