Brasil e Argentina têm reação oposta à crise dos alimentos

Para o jornal 'New York Times', País incentiva produção, enquanto Argentina eleva impostos

Da BBC Brasil, BBC

28 de agosto de 2008 | 05h00

Uma reportagem publicada na edição desta quinta-feira, 28, do jornal americano The New York Times afirma que Brasil e Argentina estão reagindo de formas opostas à crise da alta dos alimentos. Enquanto o Brasil está incentivando seus produtores rurais a aumentarem as colheitas, aproveitando a alta do preço no mercado internacional, a Argentina elevou tarifas de exportação para garantir o abastecimento doméstico.  Veja também:Entenda a crise dos alimentos Entenda os principais índices De olho na inflação, preço por preço "Preços crescentes de alimentos significam que muitos fazendeiros pelo mundo estão colhendo lucros recordes", diz a reportagem assinada pelo correspondente do jornal em São Paulo Andrew Downie. "Na corrida para tirar proveito do difícil mercado global de alimentos, o Brasil tem uma série de vantagens sobre o seu vizinho do sul." Entre as vantagens, o jornal destaca que o Brasil tem mais que o dobro de terras cultiváveis do que a Argentina, uma pauta de exportação mais diversificada e lidera em mais itens de exportação. "O governo de Brasília quer continar assim", afirma a reportagem, citando o crédito de US$ 49 bilhões para fazendeiros - um aumento de 12% em relação ao ano passado. Na Argentina, o governo Kirchner tentou aumentar impostos sobre exportações de grãos e soja. "A decisão tinha como intenção forçar os fazendeiros argentinos a venderem sua produção em casa, criando assim um excesso de oferta doméstica que manteria preços baixos e a inflação sob controle." O jornal afirma que a decisão argentina gerou protestos em vez de vantagens no país, com fazendeiros conduzindo demonstrações e bloqueios em estradas. Por fim, a medida acabou derrubada no Senado em julho. A reportagem conclui que mesmo com as reações diferentes de Brasil e Argentina à crise, "analistas acreditam que ambos países vão eventualmente se beneficiar do aumento dos preços globais dos alimentos". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.