Brasil e Argentina devem conquistar mercados juntos, diz Lula

Em Buenos Aires, presidente comparou a relação dos dois países a um casamento.

Marcia Carmo, BBC

04 de agosto de 2008 | 17h42

Em visita à Argentina, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta segunda-feira, que os dois países devem "aprofundar a relação comercial" e atuarem juntos para conquistar novos mercados.O presidente falou e foi aplaudido durante a abertura de um seminário, na capital argentina, que reuniu mais trezentos empresários dos dois países - a maioria, no entanto, brasileiros. Lula comparou relação dos dois países a um casamento e ressaltou a posição geográfica privilegiada do Brasil e da Argentina. "Por que Deus nos colocou grudados? A gente quando se casa, não é para a mulher olhar para um lado e o homem para o outro. É para estarem juntos", disse.Segundo Lula, durante muitos anos os dois países olharam, individualmente, para Europa e Estados Unidos e "é hora de avançar conjuntamente", afirmou. RelaçõesA presidente argentina, Cristina Kirchner, que também participou do encontro, voltou a elogiar o potencial industrial brasileiro. "A Argentina não teve a sorte do Brasil. No Brasil, entenderam a importância de um modelo de continuidade, de acumulação produtiva. Na Argentina, onde ocorreram incertezas políticas, entenderam que nosso país poderia se limitar a ser um país de serviços. Mas esse sistema acabou afetando as nossas instituições", disse. Cristina destacou ainda a importância da integração com o Brasil e sua "convicção de que as negociações multilaterais sejam conjuntas". Esta é a primeira visita de Lula ao país vizinho após a pior crise vivida no governo de Cristina, há sete meses no poder.No mês passado, o Congresso argentino derrubou um imposto sobre as exportações agrícolas que vinha sendo defendido pela presidente e que havia provocado uma queda-de-braço entre a Casa Rosada e o setor ruralista. Esta também é a décima segunda viagem do presidente brasileiro à Argentina desde que foi eleito, em 2002. A Argentina é o país que Lula mais visitou em seus seis anos de governo. "O Brasil continua apostando na Argentina, nos seus trabalhadores, em seus empresários e em seu governo", disse o líder brasileiro."Não me canso de repetir: juntos seremos mais soberanos (...). Temos um imenso potencial pela frente. Vamos juntar forças para estarmos juntos no cenário mundial", afirmou.AliançaA visita do presidente ao país vizinho é feita num momento em que a Argentina acumula 62 meses de déficit na balança comercial com o Brasil e quando os investimentos brasileiros batem recordes e já são o terceiro mais importante do país. Depois de ler seu primeiro discurso, Lula aproveitou a oportunidade para improvisar e reforçar a importância da relação comercial entre os dois países. "A corrente de comércio entre Brasil e Argentina cresceu 35% entre janeiro e junho. Se este ritmo for mantido e estou seguro que será, vamos fechar 2008 com o recorde de mais de US$ 30 bilhões de comércio entre os dois países", afirmou o presidente. Lula comentou ainda o fracasso das negociações da Rodada de Doha e afirmou que a integração entre os Brasil e Argentina é "decisiva" para a inserção dos dois países na economia mundial. "A frustração da Rodada de Doha exige que nos metamos em outros tabuleiros, e temos que superar distorções e barreiras ao comércio internacional. Nossa aliança estratégica é a espinha dorsal desse projeto", afirmou Lula.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.