Brasil é 44º pior país na gravidez de adolescentes, diz ONG

O Brasil é o 44º colocado no ranking dos 50 países onde os riscos da gravidez de adolescentes é maior, segundo a ONG Save The Children. A classificação leva em conta a probalidade de casamento precoce, gravidez na adolescência e o índice de mortalidade infantil.Na lista dos 50 piores países, segundo a classificação da Save The Children, o Brasil supera apenas México, Namíbia, Paraguai, Egito, Indonésia e Marrocos. Entre os países latino-americanos, somente Nicarágua (24º lugar), Guatemala (26º), El Salvador (29º), República Dominicana (33º), Bolívia (38º) e Equador (42º) apresentam um quadro pior do que o brasileiro. O país com a situação mais alarmante é Níger. Entre os dez primeiros colocados, apenas o Afeganistão (5º lugar) não é africano. Na outra ponta do ranking, em outra lista da ONG, estão Suécia, Dinamarca e Finlândia, como os melhores lugar do mundo para a maternidade.Ainda segundo o relatório da Save the Children, problemas na gravidez e gravidez precoce são a maior causa de mortalidade entre meninas adolescentes de países em desenvolvimento. Cerca de 70 mil meninas com menos de 20 anos de idade morrem todos os anos e um milhão de bebês nascidos de adolescentes não completam o primeiro aniversário. O estudo recomenda uma melhor educação e programas de saúde voltados para as necessidades específicas de cada população."Para muitas meninas, a maternidade é uma tragédia ou uma sentença de morte?, diz Mary-Beth Powers, conselheira do Save The Children. O relatório anual da organização diz que globalmente mais de 13 milhões de meninas com idade entre 15 e 19 anos dão à luz todo ano. Nove em cada dez destes nascimentos acontecem em países em desenvolvimento.Garotas na África e no sul da Ásia tendem a se casar (muitas vezes por imposições familiares) muito novas e sofrem pressão para engravidarem rapidamente. No continente americano, jovens mães tem a tendência de serem solteiras. ?Mas, independentemente de serem casadas ou não, jovens mães tendem a ficar sozinhas?, diz o relatório. ?As necessidades delas em termos de educação e saúde não são atendidas, e elas são mal equipadas para lidar com os desafios para elas e suas crianças.? Entre os países desenvolvidos, os Estados Unidos tem o maior índice de maternidade precoce. A menor taxa se encontra na Coréia do Sul. O relatório aponta para a educação como o fator mais importante para prevenir que as meninas fiquem grávidas muito jovens. ?Meninas novas precisam ter acesso a meios de contracepção para adiarem a gravidez até os 20 anos de idade, quando seus corpos se tornam mais maduros?, diz Mary-Beth Powers.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.