Andrés Cristaldo/EFE
Andrés Cristaldo/EFE

Brasil deveria ter uma posição mais firme, diz FHC sobre Venezuela

'Eu fui favorável ao ingresso da Venezuela no Mercosul, mas existe uma cláusula democrática e obviamente a Venezuela está se afastando da democracia', disse o ex-presidente em evento com empresários

LUCIANA NUNES LEAL, O Estado de S. Paulo

19 de junho de 2015 | 18h21

Rio - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso comentou a hostilidade de partidários do governo venezuelano ao grupo de parlamentares brasileiros que tentou visitar o país, liderados pelo senador tucano Aécio Neves (PSDB-MG). Ele cobrou um protesto mais veemente do governo brasileiro.

"Não acho satisfatória (a posição do governo diante do episódio). Há muito tempo o governo do Brasil deveria ter uma posição mais firme. Eu fui favorável ao ingresso da Venezuela no Mercosul, mas existe uma cláusula democrática e obviamente a Venezuela está se afastando da democracia, é preciso ter posição mais enérgica. No caso específico, mais grave ainda. Foi uma desconsideração com aos senadores brasileiros. Houve no mínimo leniência do governo (brasileiro), que não garantiu o mínimo de segurança. Estranho que o embaixador (do Brasil na Venezuela) não tenha estado o tempo todo com eles", afirmou Fernando Henrique, após ser homenageado na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

O senador José Serra (PSDB-SP) disse que o governo brasileiro "não deu nem vai dar" resposta adequada ao incidente. "Os governos brasileiro e venezuelano son hermanos (são irmãos)", ironizou. "O governo venezuelano é incompetente. A melhor maneira de chamar atenção para a visita e para o significado dela foi preparada por eles. A truculência botou um foco que nunca teria havido em outras circunstâncias. Iluminou tudo."

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaFHC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.