Brasil deve ganhar mais quatro beatos

Mais três brasileiros e um espanhol que viveu 11 anos no Brasil serão beatificados nos próximos meses, informou o Estado. O papa Bento XVI, que antes autorizou a beatificação do holandês Padre Eustáquio, em Belo Horizonte, e do espanhol Padre Mariano, em São Paulo, assinou no sábado os decretos que reconhecem como mártires a freira baiana Lindalva Justo de Oliveira, a menina catarinense Albertina Berkenbrock e o adolescente gaúcho Adílio Daronch, além do padre Manuel Gómez González, que nasceu na Espanha e passou por Portugal antes de ser enviado para o Rio Grande do Sul. Considerados mártires, por terem dado a vida em defesa da fé, eles não precisarão ter feito milagre para ser declarados beatos. Irmã Lindalva nasceu em Açu (RN) em 1953 e morreu esfaqueada em Salvador, em 1993, ao resistir ao assédio sexual de um dos internos do abrigo para idosos em que trabalhava. ?Eram 7 horas da manhã de 9 de abril, Sexta-feira Santa, e ela servia o café no refeitório, depois de participar de uma via-sacra?, disse irmã Leonete Custódio, contemporânea de irmã Lindalva quando ambas entraram na Companhia das Filhas da Caridade, ou vicentinas. O assassino, José Augusto Peixoto, um morador de rua de 46 anos, deu 44 facadas nas costas da freira porque, conforme afirmou no tribunal, ela não lhe dava atenção. Resistência a assédio sexual significa, no caso, defesa da castidade. Foi também por esse motivo que o oleiro Idalício Cipriano Martins degolou, num sítio da localidade de São Luís (SC) a menina Albertina Berkenbrock, descendente de imigrantes alemães. Albertina, de 12 anos, resistiu ao ataque do assassino que tentou deflorá-la no dia 15 de junho de 1931, quando ela saiu de casa para procurar um boi desgarrado. Adílio Daronch, que nasceu em Dona Francisca (RS) e tinha 15 anos, era coroinha e acompanhava o missionário Manuel Gómez González na região do Alto Uruguai, quando caíram numa emboscada armada por soldados da Brigada Provisória, em 21 de maio de 1924, que espalhavam o terror na zona rural. Amarrados e torturados, padre Manuel levou dois tiros e Adílio três. Eles percorriam colônias para a desobriga - administração dos sacramentos da confissão, da eucaristia e do matrimônio - e foram sepultados num cemitério que o missionário deveria benzer. As cerimônias de beatificação, previstas para 2007, deverão ocorrer em Salvador (BA), Tubarão (SC) e Santa Maria (RS), dioceses em que os mártires brasileiros nasceram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.