Brasil atendeu ao chamado da ONU, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula disse hoje, em discurso para militares brasileiros que participam da Força de Paz no Haiti, que o Brasil atendeu a um chamado do Conselho de Segurança da ONU, ao deslocar tropas para a missão de paz naquele país. "A Comunidade internacional confirma a confiança no Brasil, que comanda a Força de Paz no Haiti", ressaltou o presidente, que pleiteia uma posição de membro permanente no Conselho de Segurança da ONU."Quando anunciamos a intenção de trazer tropas para este país, avaliamos que o Brasil não poderia ficar alheio à dor de um povo irmão", disse o presidente. "Não podemos nos resignar e assistir com impotência e fatalismo a escalada da instabilidade e do medo", acrescentou. Lula ressaltou que o governo brasileiro pretende ajudar o Haiti a reerguer seu Judiciário e treinar sua polícia e seu quadro de professores. "Enquanto houver fome, miséria, crianças sem educação e epidemias não haverá segurança. No lugar da segurança surgirão a revolta, a insegurança e o fanatismo, que são verdadeiros alimentos da violência, do conflito e do terrorismo", afirmou.O presidente salientou que não há terror maior que a exclusão social e a falta de perspectiva. Dirigindo-se aos oficiais e soldados brasileiros, o Lula disse que suas famílias, seus amigos e todos os brasileiros reconhecem o sucesso da missão que eles estão realizando no Haiti. "Os nossos jogadores (seleção brasileira de futebol) não são os únicos craques brasileiros no Haiti. Vocês também estão fazendo um gol de placa", disse Lula, que, usou um boné da ONU. Ao comentar o amistoso das seleções de futebol, Lula relatou a empolgação dos jogadores brasileiros, com quem se encontrou ontem, na República Dominicana. "Nossos jogadores nos mostram que não devemos dar ouvidos para os que dizem que os nossos sonhos são inatingíveis", disse. As ruas de Porto Príncipe estão tomadas por populares, que aguardam a chegada da Seleção Brasileira. Bandeiras e faixas verdes a amarelas estão espalhadas pelas ruas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.