Brasil amplia cooperação militar com vizinhos

O governo brasileiro está ampliando a cooperação militar com países vizinhos e reforçando as bases na região de fronteira com a Colômbia, onde concentra cerca de 20 mil soldados. O motivo é a intensificação do conflito entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo do novo presidente Álvaro Uribe, que tomou posse recentemente prometendo acabar com a guerrilha. O Brasil teme o risco de que guerrilheiros das Farc invadam o território brasileiro.Esta semana, o ministro da Defesa, Geraldo Quintão, esteve no Peru e no Equador, onde assinou acordos de cooperação militar com ambos os países. O objetivo é dividir com as forças armadas equatorianas e peruanas dados obtidos pelo Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam). Foram acertados encontros anuais entre militares desses países.Ainda que a fronteira Brasil-Colômbia seja predominantemente de mata, o que restringe muito o acesso ao País, o governo quer mobilizar os países andinos em favor da manutenção de uma "região de paz" em torno da Colômbia. Essa postura segue a linha de ação da diplomacia brasileira, que defende que os problemas colombianos sejam resolvidos internamente pelo povo daquele país.Os pontos mais vulneráveis na fronteira Brasil-Colômbia são os rios que cruzam os dois países. Mas, nesses pontos, o governo mantém vigilância redobrada. Além das Forças Armadas, atuam na região cerca de 120 agentes da Polícia Federal. As tropas brasileiras estão espalhadas por cidades como Tabatinga e São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas. Na semana passada, foi inaugurada uma base aérea em São Gabriel.No início do ano, o Exército, a Aeronáutica e a Marinha realizaram operação conjunta na região. O exercício militar serviu para mostrar que as Forças Armadas estão em condições de mobilizar grandes contingentes com rapidez. Além da mobilização em terra, com tropas do Exército, a Aeronáutica mantém em alerta o pessoal das bases aéreas de Manaus e Boa Vista.Numa demonstração do grau de integração das Forças Armadas brasileiras com as do Equador, Quintão participou como palestrante esta semana em evento realizado naquele país. O Brasil está contribuindo para a definição de estratégias de defesa do Equador. O Brasil já mantém contatos bilaterais periódicos na área de defesa com a Argentina, o Chile, a Bolívia e o Uruguai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.