Brasil ainda não escolheu novo caça, diz Jobim nos EUA

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse ontem ao secretário da Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, que o governo brasileiro ainda não definiu de quem comprará os novos caças da Força Aérea Brasileira (FAB), indicando que existe a possibilidade de o escolhido ser o F-18, da empresa norte-americana Boeing. A afirmação foi dada durante encontro ocorrido em Washington, horas antes de o ministro embarcar para Cuba.

AE, Agencia Estado

24 Fevereiro 2010 | 13h33

No entanto, a favorita na disputa ainda é a francesa Dassault, fabricante do Rafale, que conta com o apoio declarado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O presidente chegou a dizer, durante visita ao Brasil do colega francês, Nicolas Sarkozy, que a disputa já estaria definida.

A declaração incomodou os demais concorrentes - além da Boeing, participa da disputa a sueca Saab, com o caça Gripen NG - e o Ministério da Defesa teve de recuar, informando que não havia definição. Mesmo assim, tudo indica que o avião escolhido será o Rafale.

A definição deve sair em um mês, disse Jobim, sabendo das críticas feitas ao governo pela demora na decisão. "Como percebi que ele estava constrangido, decidi abordar o assunto. Disse que estamos em processo de análise para definir de quem compraremos. Terei 20 dias para estudar as propostas e enviar para o presidente o meu parecer. Em seguida, ele consultará o Conselho de Segurança Nacional antes de tomar uma decisão." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.