Brant discute com deputados que tentaram adiar trabalhos

O presidente da Comissão Especial para a reforma da Previdência, deputado Roberto Brant (PFL-MG), teve uma discussão com dois integrantes do seu partido que tentaram protelar o andamento dos trabalhos da comissão. Depois de ter sido feito a leitura da ata pela secretária da comissão, o deputado Onyx Lorenzoni apresentou uma questão de ordem exigindo que a leitura do documento fosse feita por um deputado. Brant acatou a questão de ordem e determinou que o próprio deputado fizesse a leitura, que da primeira vez durou vinte minutos. Logo depois, o vice-líder do PFL, Pauderney Avelino (AM), quis apresentar uma questão de ordem, mas teve seu pedido para falar recusado por Brant. O deputado Robson Tuma (PFL-SP) tomou a palavra e tentou apresentar a questão de ordem para assegurar a Pauderney Avelino o direito de falar. Brant indeferiu a questão e proibiu que Avelino se manifestasse por não ser integrante da Comissão Especial. Robson Tuma reagiu: "Vossa Excelência está sendo ditador". Quando Pauderney insistiu, Brant interrompeu: "Vossa Excelência não tem legitimidade para apresentar questão de ordem, pois a prerrogativa de falar na comissão é apenas do líder da bancada e não do vice-líder". Pauderney Avelino disse ter estranhado a atitude de Brant, que voltou a carga: "Colega de partido ou não, eu cumpro o regimento".Tanto Tuma quanto Pauderney anunciaram que apresentarão recursos às decisões de Brant à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Após a discussão, o deputado Lorenzoni iniciou então a leitura da ata.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.