Bracelpa cobra posição do governo sobre invasões de terra

O presidente da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa), Osmar Zogbi, cobrou uma posição clara do governo em relação ao direito de propriedade. Ele disse que os empresários do setor estão receosos e que isso poderá retardar os investimentos esperados para o País, que são estimados em US$ 14,4 bilhões para os próximos dez anos e deverão proporcionar a criação direta de 60 mil empregos. "Estamos muito preocupados com o movimento político do MST (Movimento dos Sem-Terra), que agora está com uma estragégia de invadir áreas de empresas de celulose e papel", disse Zogbi. Ele argumentou que, a cada dia que passa, aumentam as invasões e que muitas empresas estrangeiras que atuam no País já estão pensando se vão ou não permanecer no País. "Precisamos de uma postura firme do governo, e até agora não existe essa postura", reclamou Zogbi, que deu entrevista para anunciar os planos de investimentos no setor. Ele estava acompanhado do deputado Antônio Carlos Pannunzio (PSDB-SP), que anunciou a criação de uma Frente Parlamentar em prol da Indústria de Papel e Celulose. Hoje, no final do dia, será aberta uma mostra do setor de papel de celulose e papel, no Congresso Nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.