Bové acusa polícia de usar violência contra ele

Minutos após ser liberado pela Polícia Federal, o líder camponês francês José Bové acusou na madrugada desta terça-feira o governo federal de, com a ordem de expulsão, tentar atingir o Fórum Social Mundial e intimidar o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Segundo ele, os policiais federais que o detiveram não se identificaram, não apresentaram nenhum mandado e o agarraram à força, mantendo-o preso dentro de um carro sem identificação da PF, na garagem do Hotel Plaza San Rafhael. A maneira como transcorreu a ação, disse, deixou-o chocado. "Poderiam ter sido gângsters ou um batalhão paramilitar, teriam agido da mesma forma", declarou quando voltou ao hotel, onde está hospedado. Bové afirmou que "claramente sofreu uma violência" e descreveu a cena de sua detenção. "Três policiais me torceram os braços, me jogaram sobre o assento e ficaram me pressionando, para que eu permanecesse imobilizado. Quando perguntava ´quem são vocês??, não me respondiam", reclamou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.