Botelho: adesão à greve é ?maciça?

O presidente do Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC), Nélio Botelho, afirmou à Agência Estado que o balanço das primeiras horas da greve nacional dos caminhoneiros autônomos é "favorável", pois o trânsito de caminhões nas estradas do País diminuiu e não há bloqueios nas estradas. Segundo ele, a adesão ao movimento tem sido "maciça" e deve aumentar nas próximas horas. Para o principal líder da greve, os transportadores seguiram os conselhos dos organizadores e deixaram de trafegar, mantendo os veículos estacionados em postos de gasolina ou nas garagens. "Não vai haver tumulto, o objetivo não é acumular caminhões nas rodovias", declarou. Segundo Botelho, a greve continuará por tempo indeterminado. Ele espera ser chamado a Brasília para negociar suas reivindicações com representantes do governo federal. Botelho afirmou que desta vez a capacidade de mobilização da categoria será medida pela diminuição do movimento nas estradas. "O governo federal está achando que a greve fracassou porque não está vendo os companheiros nas estradas, está tudo calmo; mas é justamente isso que mostra a nossa capacidade de mobilização", declarou. Segundo ele, o governo não precisava aumentar o policiamento nas rodovias, pois não haverá tumulto. Na avaliação de Botelho, os Estados com maior número de transportadores parados são: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Minas Gerais, Rio, Bahia, Espírito Santo e interior de São Paulo. Ele mantém a expectativa de mobilizar 1 milhão de caminhoneiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.